Bem-estar animal

Exames neurológicos para potros: etapas e sinais de doença

Os exames neurológicos em potros são fáceis de realizar e fornecem informações úteis sobre o estado geral de saúde do recém-nascido

Independentemente de sua égua dar à luz a um potro aparentemente saudável é fundamental que seu veterinário conduza uma avaliação pós-parto do recém-nascido. Sobretudo, com exames neurológicos.

Ao realizar essa avaliação neurológica em um potro, os veterinários procuram por sinais sutis e óbvios de anormalidades que podem apontar, aliás, para doenças em várias partes do sistema nervoso.

Noções básicas de exames neurológicos

Como resultado, os objetivos ao realizar exames neurológicos em um potro são determinar se o animal é normal ou anormal e, se for o último, localizar a área afetada e restringir as possíveis causas. Além disso, os veterinários podem facilmente realizá-lo em conjunto com o exame físico pós-parto para obter mais informações sobre o estado clínico geral do potro.

Dessa forma, as habilidades e ferramentas necessárias: observação, palpação, escuta e familiaridade com os principais marcos normais em potros neonatais e em desenvolvimento. Portanto, uma transição normal da vida intrauterina para a vida extrauterina incluem:

  • Decúbito esternal (deitado) dentro de 1 a 2 minutos após o nascimento;
  • Estar alerta e responsivo aos estímulos em 5 minutos;
  • Reflexo de sucção em 20 minutos (o potro estende a língua e a enrola, talvez fazendo ruídos de sucção)
  • Cintilação em resposta à cintilação da barragem com 30 minutos
  • De pé dentro de uma hora
  • Enfermagem dentro de duas horas

Em caso de desvios de um desses eventos citados acima podem significar que algo está errado. Outros parâmetros que os veterinários podem avaliar para determinar se um potro precisa de atenção médica incluem frequência cardíaca, respiração, cor da membrana mucosa e tempo de recarga capilar, tônus ​​muscular e resposta à estimulação nasal, cócegas nas orelhas e coceira nas costas.

Áreas de avaliação

Não existe uma ordem ou método estrito para a realização de um exame neurológico em um potro. Contudo, esse trabalho deve ser feito de forma minuciosa e consistente, para não esquecer as partes essenciais.

Essas áreas incluem: comportamento, estado de consciência, nervos cranianos, reflexos espinhais, postura, avaliação da marcha, algesia e, por fim, palpação para detectar possíveis áreas de dor, assimetria suor ou qualquer outra coisa que não seja óbvia visualmente.

Sobretudo, atenção aos sinais de doenças neurológicas em potros neonatos – Foto: Divulgação/Pexels

Sinais de doença neurológica

Antes de mais nada é bom saber que diferentes sinais clínicos indicam doença em diferentes áreas do sistema nervoso. Essas áreas e seus sinais associados incluem:

  • Cerebrotalamus (prosencéfalo): esta região compreende o cérebro e é responsável pela consciência cortical e funções motoras e sensoriais. Os sinais de doença incluem comportamento alterado, cegueira cortical, déficits proprioceptivos e função motora alterada;
  • Tronco cerebral: esta estrutura na base do cérebro é responsável pela consciência e ações involuntárias, como respiração e batimento cardíaco. Os sinais de doença do tronco cerebral incluem estado alterado de consciência, déficits de múltiplos nervos cranianos, distúrbios cardiovasculares e respiratórios;
  • Cerebelo: esta estrutura está localizada na parte posterior do cérebro e está envolvida na coordenação motora. Os sinais de doença cerebelar incluem hipermetria, ataxia, tremores de intenção, falta de resposta à ameaça, anisocória e déficits proprioceptivos;
  • Medula espinhal: permite que o corpo e o cérebro se comuniquem. Os sinais de disfunção da medula espinhal podem ser sensoriais (déficits proprioceptivos ou ataxia) ou motores (dismetria, paresia / paralisia, fraqueza);
  • Junções neuromusculares: conectam os músculos aos nervos e permitem que eles se comuniquem. Os sinais de disfunção incluem fraqueza, paralisia, disfagia, déficits proprioceptivos, déficits de marcha, déficits reflexos e atrofia muscular (definhamento).

Atenção redobrada!

Por fim, é importante observar que a presença de déficits proprioceptivos por si só não ajuda os veterinários a localizar doenças, porque esses déficits podem estar presentes em doenças cerebrais, medulares e periféricas (nervos localizados em outros lugares).

Sendo assim, é necessário levar em consideração todos os sinais e parâmetros clínicos ao determinar a causa dos problemas neurológicos de um potro e possíveis cursos de ação. O exame neurológico no potro é fácil de realizar e fornece informações úteis sobre o estado geral de saúde.

Fonte: Monica Aleman, professora de medicina interna e neurologia equina na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos
Crédito das fotos: Divulgação/Pexels

Clique aqui e veja outras dicas no blog da Protécnica

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo